domingo, 26 de janeiro de 2020

Guardiã dos Sonhos


A Guardiã dos sonhos é uma boneca do folclore da Malásia. Culturas antigas acreditam que ela serve como um amuleto para proteger as pessoas de pesadelos e agouros.

Tem o formato de uma mulher dividida em duas cores, branco e preto, assim como o símbolo Yin Yang, simbolizando as duas energias opostas, o bem e o mal, o equilíbrio.

Possuem um círculo como uma coroa em volta da cabeça, adornado com penas que remetem a forma do popular conhecido Filtro dos Sonhos, que tem o mesmo objetivo: proteger contra os pesadelos e maus presságios.

terça-feira, 21 de janeiro de 2020

Mãe do Ouro




A Mãe do Ouro é uma lenda do folclore brasileiro. Popular em algumas regiões como centro-oeste, sudeste e nordeste.

Ela é descrita como uma bola de fogo que voa pelos ares nas noites mais escuras. Sempre é vista saindo de cavernas e muitas vezes confundida com o Fogo-Fátuo.

quinta-feira, 19 de dezembro de 2019

Símbolos e elementos do Natal



O Natal é a comemoração mais popular da atualidade, para os tempos modernos e a maioria das pessoas, é a celebração do nascimento de Jesus de Nazaré, mas o que nem todos sabem é que essa data especial surgiu há pelo menos 7 mil anos antes do nascimento de Cristo.

As antigas civilizações já celebravam o Solstício de inverno do hemisfério norte no planeta, quando o sol estava mais distante da terra, fazendo com quê as trevas e o frio dominassem a luz e o calor.

O nascimento de Jesus Cristo foi ressignificado pela Igreja Católica no século III para o dia 25 de Dezembro, a fim de estimular a conversão dos povos pagãos.

Os símbolos do Solstício de inverno (também conhecido como Yule pelos pagãos) são usados até hoje, conheça alguns deles com seu significado e origem, assim como também símbolos do Natal moderno e cristão:


terça-feira, 22 de outubro de 2019

A Procissão das Almas



A Procissão das Almas é um fenômeno conhecido em vários países da Europa e América Latina. É um cortejo com espíritos de gente que já morreu que passa pelas ruas a noite segurando velas ao som de murmúrios sinistros e cantos fúnebres.

quarta-feira, 28 de agosto de 2019

Fogo-Morto



O Fogo-morto pode ser considerado uma maldição do folclore brasileiro, precisamente no noroeste do Rio Grande do Sul, onde sua superstição tem mais força entre os carreteiros e viajantes.

sábado, 24 de agosto de 2019

Caboclo D'Água



O Caboclo D'Água ou Nego D'Água é uma criatura do folclore indígena brasileiro. Metade homem metade peixe, mora nas regiões pedregosas do Rio São Francisco, onde seus relatos são recorrentes. Atormenta os pescadores e embarcações que passam por ali, protegendo os peixes, é considerado um perigo das águas do Brasil.

quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Corpo-Seco




Corpo-Seco é uma alma penada do folclore brasileiro, negado no céu e no inferno, foi condenado a vagar pela terra eternamente, mas se tornou perverso e passou a viver nas estradas atacando viajantes e pessoas perdidas na noite.

terça-feira, 20 de agosto de 2019

Coca e Coco



A Coca e o Coco são comedores de crianças do folclore português, considerados assombrações ou entidades malignas, não costumam ter uma aparência definida, são como penumbras da noite que pairam pelos telhados das casas em busca de mal criados.

terça-feira, 13 de agosto de 2019

Quibungo



Quibungo é uma criatura do folclore africano que se popularizou no Brasil com a vinda dos navios negreiros para a Bahia no tempo da escravidão.

O Pé de Garrafa


Pé-de-Garrafa é um monstro do folclore brasileiro, metade homem metade bicho, vaga pelas matas berrando alto para assustar e caçar os caçadores e pessoas que se perdem nas estradas.

Anhangá


Anhangá é o deus da caça, protetor das matas e dos animais. Uma entidade andarilha do folclore norte do Brasil. Se manifesta sob a forma de um veado branco reluzente com olhos de fogo e uma marca na testa. Tem a missão de perambular pelas matas e impedir que os caçadores cruéis massacrem os animais da fauna.

domingo, 11 de agosto de 2019

Jurupari



Jurupari é um ser mitológico do folclore brasileiro da região norte, popularizado pelos povos indígenas da amazônia. Eles o descrevem como uma entidade do mal que deu origem aos outros seres malignos como os Mapinguari