terça-feira, 10 de julho de 2018

Botijas



As Botijas são potes de barro que serviam para armazenar ouro, prata e outras riquezas dos povos antigos do Nordeste do Brasil. Esses objetos guardam lendas misteriosas que são passadas através de várias gerações e permanecem até hoje no folclore popular.


Contam as lendas que as Botijas poderiam se tornar mágicas, na maioria das vezes devido ao seu dono ter morrido antes de deixar seus bens para alguem de sua família, e assim, sua alma não descansaria em paz.

As Botijas se popularizaram entre o povo do interior quando eles não tinham muito com o que gastar, e o que sobrava era sempre armazenado para fins pessoais.



Elas eram sempre escondidas em lugares distintos como se fosse um tesouro. Dentro de paredes, buracos no chão, perto de árvores antigas, cavernas ou até mesmo em tumbas de parentes em um cemitério, quanto mais assustador o local seria, melhor para permanecer intacto.

Depois, para marcar o lugar onde a Botija estaria enterrada, eram feitas sinalizações secretas com símbolos, pedras, cordas ou até uma semente, para que germinasse uma determinada planta.



Quando o dono de uma Botija tinha uma morte repentina, ou morresse tendo esquecido onde a guardou, sua alma jamais descansaria em paz, e procuraria algum meio de ajuda.


Acredita-se que ele apareceria para alguém de sua família em forma de sonho ou assombração. Quando não possuía nenhum herdeiro, ele poderia aparecer para o novo morador de suas propriedades.



Nos sonhos, uma pessoa deveria sonhar três vezes para que pudesse realizar o trabalho de ''arrancar'' uma Botija, e em cada noite, era lhe revelado um passo da trajetória, assim como uma regra que jamais poderia ser quebrada, e a principal delas era o sigilo total.



Para arrancar uma botija, deve se levantar numa meia noite de sexta-feira, geralmente aquelas com lua cheia, e levar uma pá ou picareta, duas velas bentas um lençol ou fronha para embrulhar a botija, e o principal, a coragem, pois na maioria das vezes, alma do defunto acompanharia para ficar apontando o local indicado.



Se um dos três sonhos fosse contado à alguém, o encanto seria quebrado e as riquezas da botija eram transformadas em carvão, evaporariam ou simplesmente desapareceriam, causando loucura e até a morte daqueles que quebraram o trato. Se o trabalho for feito com sucesso, quem desenterrou a botija irá ouvir um gemido bizarro acompanhado de uma leve brisa fria.



Outra lenda conta que muitas das Botijas com ouro e prata foram conquistadas devido aos pactos malignos com o Capeta, e que elas deveriam ser usadas para o próprio bem, quem as achasse jamais deveria usar para fazer caridade. Por isso, sempre que se tenta arrancar uma Botija, deve se desenhar o signo-de-salomão, a estrela de dois triângulos deve ser marcada no chão para afugentar o Satanás, que ali poderia aparecer para causar desgraça e evitar que a alma se salvasse com o desenterramento da botija.




Nenhum comentário:

Postar um comentário