terça-feira, 20 de agosto de 2019

Coca e Coco



A Coca e o Coco são comedores de crianças do folclore português, considerados assombrações ou entidades malignas, não costumam ter uma aparência definida, são como penumbras da noite que pairam pelos telhados das casas em busca de mal criados.


O ''Coco'' é a entidade masculina da Coca, por isso pode se assemelhar ao Bicho-Papão, os dois são atraídos pela desobediência das crianças, e enquanto a Coca vigia os pequenos, o Coco é quem as sequestra. Os dois são considerados entidades malignas que são o oposto dos anjos da guarda de cada pessoa, em algumas lendas podem ser descritos como personalidades divididas do diabo.

Na maioria das vezes aparecem vestidos com trapos velhos ou mortalhas sujas, algumas descrições podem se assemelhar às Shtrigas ou Banshees. Sua face é escura, e apenas consegue-se enxergar seus olhos de fogo, que solta faíscas pela boca e também pelos narizes. Devido essa aparência os costumes antigos de furar cocos, cabaças e abóboras foram popularizados para assustar as crianças.

El Coco em suas caçadas noturnas


A representação de uma Coca com abóboras veio dos celtas com o culto das ''Cabeças Cortadas'', quando uma abóbora ou panela era furada com buracos para representar a face da Coca, iluminada com uma vela por dentro e colocada como um espantalho para assombrar as crianças à noite como nas práticas da comemoração do Dia das Bruxas com o Jack' O Lantern.

Em Portugal e alguns países da América do Sul também usavam cocos para acender com velas no Dia de Finados


No início século XX, as Cocas de cabaças e abóboras eram usadas na celebração do Dia de Finados. carregadas por crianças em procissões nas ruas e depois colocadas espetadas em um pau para assustar algum sítio ou pessoas nas estradas.

A Coca mais antiga pode ser considerada a besta que luta contra São Jorge e é abatidapelo mesmo, ja que suas primeiras descrições eram de uma Dragoa, mas se assemelha com a Cucafera espanhola, para ler mais sobre ela clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário