sábado, 26 de maio de 2018

Corona Borealis

Corona Borealis é uma constelação também conhecida como Coroa do Norte ou Coroa Boreal.

A constelação é representada por uma coroa, que segundo a mitologia, seria a coroa da Princesa de Creta, Ariadne, conhecida por ajudar o herói Teseu a derrotar o Minotauro, uma criatura monstruosa com cabeça de touro e corpo humano.

De acordo com a lenda, Ariadne fugiu com o herói Teseu após ele derrotar o minotauro e fugir do labirinto com o novelo de lã que fora lhe dado pela princesa.




Chegando uma ilha, Ariadne foi abandonada por Teseu, que aos prantos foi encontrada pelo deus do vinho Dionísio ou Baco. Os dois se apaixonaram e logo planejaram o casamento.



Baco encomendou um presente para sua amada ao Deus do metal e dos ferreiros, Hefesto, que forjou uma coroa com pedras preciosas para que a princesa usasse em seu casamento.



Ariadne se casou emocionada, e ao terminar a cerimônia, lançou a coroa para o céu, onde as jóias se transformaram em estrelas, e a coroa se transformou na constelação Corona Borealis.



Em outra versão, o deus Baco teria enviado a coroa da princesa para o céu, garantindo sua gloria eterna.






Gemma era a estrela mais brilhante da constelação, recebeu esse nome por ser a palavra latina para 'jóia'.



Os árabes conhecem essa constelação como 'Tigela do pobre', ou Alphecca, que significa 'Quebrada', esse nome foi dado depois a estrela mais brilhante da constelação.



Os nativo-americanos Cheyennes conhecem essa constelação como Círculo do campo, por ter o formato de meio círculo, mesma forma que organizavam seus acampamentos.



Na Austrália, é conhecida pelos aborígenes como o 'Bumerangue', e na Gália, está associada a deusa celta coruja da roda prateada, Arianrhod, a dama que pariu dois filhos sozinhas por intermédio de magia.