terça-feira, 30 de novembro de 2010

Garuda


Garuda é uma ave mítica solar, da mitologia Hindu.

 
A forma da Garuda é uma ave, precisamente um pássaro de fogo que tem semelhanças com a Fênix, podendo ser considerada a Fênix do Hinduísmo.

As representações de uma Garuda variam por culturas, algumas possuíam a cabeça humana com três olhos, bico de águia, asas, braços e pernas, uma grande inimiga das serpentes Nagas, que eram de origem Lunar.

A lenda da Garuda:

Um dia a mãe de Garuda (raça solar) e a mãe dos Nagas (raça lunar) fizeram uma aposta de qual seria a cor do cavalo divino que estava saindo do oceano e quem perdesse se tornaria prisioneira da outra, a mãe dos Nagas ganhou a aposta. 

Querendo a liberdade de sua mãe, Garuda foi até os Nagas e perguntou o que ele poderia fazer para libertá-la, os Nagas disseram que ele teria que roubar e entregar para eles a água da imortalidade dos deuses. 

Garuda voou até a montanha na qual a água estava guardada, mas para consegui-la ele teve que enfrentar um exército de deuses e dois dragões que guardavam a água. 

Feito isso, Garuda entregou a água da imortalidade para os Nagas e estes libertaram sua mãe, mas, antes que os Nagas pudessem beber da água, os deuses vieram e a tiraram deles.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Teoria: Extraterrestres seriam os Anjos ?


Existe uma teoria que é estudada, mas ainda não predominante, que os Anjos seriam Alienígenas Extraterrestres.

Exemplos são o bispo Dom Pugliese e Giorgio Bongiovann que acreditam que os anjos e arcanjos, assim como Cristo, têm origem alienígena. Segundo eles, as referências à vida extraterrestre estão no Antigo e no Novo Testamento, em mensagens cifradas.

Um exemplo, a Virgem Maria, que nunca teve relações intimas e recebeu uma mensagem de gravidez inesperada de um ‘anjo’ que a avisava sua gravidez, ela estaria esperando o filho de Deus ou em teorias cientificas uma gravidez por inseminação artificial feito um experimento de introdução de um sêmen em seu ventre, gerando um bebê divino.


Outro exemplo maior é o da destruição de Sodoma e Gomorra, um texto tirado do livro “Eram Os Deuses Astronautas?”

"O livro do Gênese nos transmite, no Capitulo XIX, 1 a 28, longo relato, muito minucioso e excitante em seus pormenores, sobre a catástrofe de Sodoma e Gomorra. Se associarmos nossos atuais conhecimentos àquela narrativa, logo despertaremos idéias novas, nada absurdas.

À tardinha, chegaram dois anjos a Sodoma, quando o pai Ló estava justamente sentado à porta da cidade. Obviamente, Ló esperava esses "anjos", que logo se revelaram como homens, pois Ló os reconheceu imediatamente e os convidou hospitaleiramente a pernoitarem em sua casa. Os libertinos da cidade, narra a Bíblia, desejavam "coabitar" com os varões estrangeiros. Estes, porém, com um único gesto, foram capazes de liquidar os apetites sexuais dos "playboys" indígenas: os perturbadores da paz ficaram cegos.

Os "anjos" convidaram Ló a conduzir sua mulher, seus filhos e filhas, os genros e as noras, imediata e urgentemente, para fora da cidade, pois, assim advertiram, a cidade dentro em pouco seria destruída. A família parece que não confiou muito nesse estranho convite e tomou tudo como uma brincadeira de mau gosto do pai Ló. Tomemos o Livro do Gênese, literalmente:

"Começando a raiar a aurora, os anjos apressaram Ló, dizendo lhe: "Anda, toma depressa tua mulher e tuas duas filhas, não suceda que também tu pereças na ruína da cidade." Como ele, porém, ainda hesitasse, os homens pegaram pela mão a ele, à mulher dele e às duas filhas, porque o Senhor queria poupá-lo; conduziram no e o deixaram lá fora da cidade. 

Depois que os haviam levado para fora, o anjo falou: "Salva tua vida, não olhes para trás e não pares nos arredores! Esconde-te nas montanhas, para que não sejas destruído!... Rápido, salva te, vai para lá, pois nada posso fazer antes de tu lá chegares".

Após este relatório, não há dúvida de que os dois estrangeiros, os "anjos", dispunham de um poder desconhecido pelos habitantes da região. Dá que pensar, também, a compulsória força sugestiva, a insistência com que apressaram a família de Ló. 

Enquanto pai Ló ainda hesitava, arrastaram no pelas mãos para fora. Deve ter se tratado de questão de minutos. Ló deve, assim ordenam eles, ir para as montanhas e não voltar se para trás. Pai Ló, aliás, parece não ter tido um respeito ilimitado pelos "anjos", pois cada vez de novo arrisca objeções: "...mas, nas montanhas não posso me salvar, o mal poderia alcançar me, e eu viria a morrer..." Pouco depois, os "anjos" confessam que nada podem fazer por ele, se não obedecer.

Que aconteceu, realmente, em Sodoma? Não é possível imaginar que Deus Todo Poderoso esteja preso a qualquer esquema cronológico. Por que, pois, essa pressa dos "anjos"? Ou a destruição da cidade teria sido prefixada para o minuto exato? Teria a contagem regressiva já começado e os "anjos" disso saberiam? Então, evidentemente, o prazo para a destruição teria sido fatal. Não teria havido um método mais simples para pôr a família de Ló em segurança? Por que cargas d'água deveriam ir para as montanhas a qualquer custo? E por que não deveriam olhar, nem uma vez ao menos, para trás?

Perguntas talvez irreverentes quanto a um assunto sério, concordamos. Mas, desde que no Japão foram despejadas duas bombas atômicas, sabemos quais os danos causados; sabemos que os seres vivos, expostos ao efeito direto da radiação, morrem ou adoecem incuravelmente. Imaginemos que Sodoma e Gomorra tenham sido destruídas segundo um plano, isto é, deliberadamente, por meio de uma explosão nuclear. 

Talvez os "anjos" - continuemos nossa especulação - quisessem simplesmente destruir perigoso material atômico, aproveitando o ensejo para aniquilar grupos humanos que lhes eram desagradáveis. O instante cronológico da destruição havia sido fixado. Quem devesse sair ileso - como a família de Ló - precisaria ficar a alguns quilômetros de distância do centro da explosão, nas montanhas: as paredes rochosas absorvem natural mente os perigosos raios duros. Sim, e - quem não o sabe? - a mulher de Ló virou se e olhou diretamente para o sol atômico. A mais ninguém admira que ela tenha sucumbido na hora. "O Senhor, porém, mandou chover enxofre e fogo sobre Sodoma e Gomorra.

E o Gênese assim finaliza o relatório da catástrofe: "No outro dia, bem cedo, Abraão partiu e foi ao local onde ele havia estado com o Senhor. Levantando os olhos para Sodoma, Gomorra e toda a terra adjacente, viu que se elevavam da terra, cinzas inflamadas, como fumaça que sai duma fornalha".

Podemos ser religiosos como nossos avós, mas certamente somos menos crédulos. Não podemos imaginar, nem com a melhor das boas vontades, um Deus onipotente, onipresente e onibondoso, que esteja acima dos conceitos de tempo e, entretanto, não saiba o que acontecerá. Deus criou o homem e ficou satisfeito com sua obra. Apesar disso, parece haver se arrependido mais tarde de seu feito, porque o mesmo Criador resolveu aniquilar o homem. 

A nós, filhos de uma época esclarecida, também nos parece difícil pensar num pai extremamente bondoso que, entre inúmeros outros, prefira seus assim chamados "filhos favoritos", como justamente a família de Ló. O Antigo Testamento dá descrições insistentes, em que Deus sozinho ou seus anjos, sob grande ruído e forte desenvolvimento de fumaça, desciam em vôo direto do céu. Uma das descrições mais originais dessas ocorrências foi nos legada pelo profeta Ezequiel:

"Aconteceu, no trigésimo ano, no quinto dia do quarto mês, quando eu me encontrava no Rio Chebar entre os exilados. Lá se abriu o céu... eu, porém, vi como veio do norte um vento tempestuoso e uma grande nuvem, envolta em resplendor e incessante fogo, em cujo centro refulgia algo como metal brilhante. E bem ao meio apareceram vultos como de quatro seres vivos, cujo aspecto se assemelhava a vultos humanos. E cada um tinha quatro rostos e cada um quatro asas. Suas pernas eram retas e a planta de seus pés era como a planta do pé de um bezerro, e brilhavam como metal polido."

Ezequiel indica uma data bem precisa para a aterrissagem desse veículo. Ele também vê, em observação exata, um semovente vindo do Norte, que brilha e é radiante e levanta enorme nuvem de areia do deserto. Imaginemos o Deus Onipotente das religiões: tem este Deus necessidade de vir correndo desabaladamente de uma determinada direção? Não pode Ele, sem espalhafato ou alarido, encontrar se lá onde deseja estar?

Sigamos a narração testemunho do profeta Ezequiel:

"Além disso vi, ao lado dos quatro seres vivos, rodas no chão. O aspecto das rodas era como o vislumbre de um crisólito, e as quatro rodas eram todas da mesma conformação, e eram trabalhadas de modo tal como se cada roda estivesse no meio da outra. 

Podiam andar para todas as quatro direções, sem virar se ao andar. E eu vi, que tinham raios e seus raios estavam cheios de olhos em toda a volta das quatro rodas, Quando os seres vivos andavam, também as rodas andavam a seu lado, e quando os seres vivos se elevavam do chão, também as rodas se levantavam."

A narração é estupendamente boa: Ezequiel acha que uma roda se encontrava no meio da outra. Uma ilusão óptica! De acordo com nossos atuais conhecimentos, ele viu algo parecido com os veículos especiais que os americanos usam nas areias desérticas e regiões pantanosas. Ezequiel observa que as rodas se elevam do chão simultaneamente com as asas. Isso é exatíssimo. Naturalmente, as rodas de um veículo universal, por exemplo, um helicóptero anfíbio, não ficam no chão quando ele se eleva para o ar.

Continuemos com Ezequiel:

"Filho do homem, põe te em pé, quero falar te." Esta voz o relator ouviu e, de temor e respeito, enterrou seu rosto no chão. Os vultos estranhos interpelavam nosso Ezequiel como "filho do homem", e queriam falar com ele. Segue o relatório:

"...e ouvi atrás de mim um estrondo possante, quando a glória do Senhor se elevou de seu lugar, o farfalhar de asas dos seres vivos que se tocavam entre si, e o tilintar das rodas ao mesmo tempo, constituiu um estrondo possante."

Além da descrição bastante exata do semovente, Ezequiel nota também o ruído que esse monstro nunca visto produz, quando decola do solo. Designa o barulho feito pelas asas como um farfalhar e o tilintar das rodas como um possante estrondo. Não nos parece isto o depoimento de uma testemunha ocular? Os "deuses" falaram com Ezequiel e instaram para que doravante restaurasse a lei e a ordem na Terra. Receberam no em seu veículo e confirmaram que ainda não haviam abandonado a Terra. A ocorrência causou forte impressão sobre Ezequiel, pois não se cansa de descrever cada vez de novo o estranho veículo. 

Mais três vezes repete ele a descrição de uma roda "que estava dentro da outra" e das "quatro rodas que podiam ir para todos os lados, sem virar se no andar". E especialmente impressionado mostrou se ele com o fato de o corpo inteiro do veículo, as costas, as mãos e as asas, até as rodas, estarem cheios de olhos. A finalidade e o alvo da viagem, os "deuses" revelam ao cronista mais tarde, quando lhe dizem que ele vive em meio a uma geração rebelde, que tinha olhos para ver, e assim mesmo nada via, e orelhas para ouvir, e assim mesmo nada ouvia. 

Esclarecido Ezequiel sobre seu povo, seguem se. como em todas as descrições de tais desembarques conselhos e indicações com respeito à lei e à ordem, assim como sugestões com vistas a uma civilização adequada. Ezequiel levou a missão muito a sério, e transmitiu aos outros as indicações dos "deuses".

Novamente estamos diante de questões embaraçosas.

Quem falou com Ezequiel? Que espécie de seres eram?

"Deuses", segundo a concepção tradicional, certamente não eram, pois esses provavelmente não necessitavam de um veículo para ir de um local a outro. A nós, essa espécie de movimentação nos parece incompatível com a concepção de um Deus Todo Poderoso.

No Livro dos Livros existe outra invenção técnica, que, nessa concatenação de idéias, vale a pena examinar com imparcialidade.

No Livro do Êxodo, capitulo XXV, 10, Moisés relata as instruções precisas que "Deus" transmitiu para a construção da Arca da Aliança. As diretrizes são fornecidas com a precisão de centímetros, indicam como e onde deveriam ser fixados varais e argolas e que ligas metálicas deveriam ser usadas. As instruções visavam uma execução exata, assim como "Deus" desejava tê-la. Advertiu Moisés repetidas vezes que não cometesse erros.

"E vê que faças tudo com exatidão completa, segundo o modelo que te foi exibido na montanha..." (Êxodo, XXV, 40.)"

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Exorcistas

  
Um Exorcista é uma pessoa capaz de expulsar demônios, espíritos malignos e até o Diabo, de um corpo possuído ou local.

Um Exorcista pode ser um Padre, uma Freira, um Curandeiro, um Xamã e varias outras pessoas que passam algum tempo para adquirir a pratica do exorcismo.


O Exorcista pode libertar uma pessoa do domínio de seres sobrenaturais e até objetos que foram construídos por forças malignas.


O Filme O Exorcista é um dos mais conhecidos do mundo, com um caso de possessão demoníaca, e em Sobrenatural, Dean e Sam Winchester, os irmãos caçadores do paranormal também podem ser considerados como Exorcistas principalmente Sam.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Ceiuci / A Velha Gulosa


Ceiuci também chamada de velha gulosa é uma fada do folclore indígena brasileiro que vive perseguida por uma fome bestial.

A lenda conta que Ceiuci estava pescando em rio quando viu a sombra de um homem dentro da água, quando lançou a rede nada pegou, o rapaz gargalhou e a velha ordenou as vespas com seus poderes atacarem o rapaz, mas este quebrou um galho de uma árvore e as espantou. A fada malvada ordenou então as formigas tocandiras, e o moço não podendo se livrar mergulhou no rio, em seguida Ceiuci o capturou com a tarrafa e levou-o para sua casa.

A velha gulosa deixou o moço no terreiro enrolado na tarrafa enquanto foi buscar lenha para fazer o fogo, para poder assá-lo e depois tentar saciar sua fome. A filha de Ceiuci ouviu gritos de socorro, ficou com pena do homem e o soltou, colocou em seu lugar um pilão com cera de abelha e disse para ele:

-Fuja daqui para muito longe, quando ouvir o canto da cã-cã, esconda-se bem, por que minha mãe estará perto de lhe pegar, leve estes paneiros mágicos que ela os usa quando não consegue caça na mata e esta sempre com fome, quando você a vir atire-os em cima dela.

O homem agradeceu a filha de Ceiuci e partiu. 


A velha voltou com a lenha e acendeu uma enorme fogueira, quando o fogo ficou alto, ela atirou a tarrafa e estranhou por não ouvir nenhum gemido ou grito, quando sentiu o cheiro de mel, tirou o pilão do fogo e perguntou para sua filha o que significava, se ela não dissesse, a engoliria viva.

A filha de Ceiuci disse que ficou com pena e mandou o rapaz ir embora, então a velha gulosa ao ouvir isso, correu atrás dele farejando o seu cheiro, o rapaz ainda estava no meio do caminho de sua casa que era muito longe, e parou para descansar, mas ouviu a cã-cã e teve de se levantar para correr mais, já ouvindo os berros estrondosos da velha perto dele, se lembrou do conselho da filha de Ceiuci e atirou um dos paneiros para traz. Tal paneiro se transformou em um porco-do-mato. A velha devorou o bicho inteiro e continuou a perseguição.


Os outros paneiros foram atirados, e todos do mesmo modo foram engolidos pela velha insaciável, então o moço avistou macacos em cima de árvores e os pediu esconderijo, os macacos jogaram ele dentro de um pote de mel e a velha farejou, mas apenas sentiu o odor doce, passou adiante.

O moço saiu correndo do pote de mel dos macacos, já estava feliz pensando que estava livre da velha gulosa, quando novamente ouviu a cã-cã, correu mais e avistou uma enorme serpente, pediu-lhe proteção e a cobra o escondeu dentro de uma cova, mas ouviu-a dizer a sua companheira:

- Deixa a Ceiuci passar, e nos duas o comeremos.

O homem pulou fora da cova e pediu que um pássaro comesse as duas serpentes, depois disso fugiu e atravessou um rio, logo chegou a sua casa e nunca mais viu a velha gulosa.

sábado, 20 de novembro de 2010

Romãozinho


O Romãozinho é um moleque que nasceu malvado, sem nenhum pingo de bondade no coração, sua lenda surgiu no Brasil, e ele faz parte do folclore assim como o Saci, seu passatempo preferido é perseguir os animais, destruir plantações e maltratar os meninos menores.

Certa vez sua mãe mandou-o levar a comida de seu pai, que trabalhava em um roçado afastado de casa, era agricultor e estava morrendo de fome.
Romãozinho grande e preguiçoso foi de mau gosto e no caminho abriu a marmita de seu pai e comeu toda a galinha, depois juntou os ossos e embrulhou-os na toalha e entregou ao pai.
Quando o homem abriu a cesta e viu somente os ossos no fundo da cesta, ficou indignado e perguntou o que significava isso. Romãozinho, perverso como sempre aproveitou a revolta do pai e disse que sua mãe tinha comido a galinha e tinha o obrigado a trazer os ossos, acrescentou também dizendo que a mulher o odiava e desejava a sua morte.
O pai de Romãzinho ao ouvir tal mentira saiu correndo para casa, bufando de raiva, quando la chegou, puxou um punhal e ficou em sua mulher varias vezes, antes dela morrer, agonizante, a mãe de Romãozinho o amaldiçoou dizendo:
- Não morrerás nunca! Não conhecerás nem o céu, nem o inferno, nem descanso enquanto o mundo for mundo!
Romãozinho riu da maldição, e saiu por ai, dizem que esse caso ocorreu a muitos anos no estado de Goiás, dizem também que ele ainda esta vivo, da mesma idade e do mesmo tamanho, anda por todas as estradas fazendo malvadezas, foi condenado assim como o Jack O’ Lantern, a vagar pelo mundo eternamente, pois nem o céu nem o inferno possuem lugar para ele.

Ciborgues



Os Ciborgues são também conhecidos como organismos cibernéticos ou tecnológicos, seres com partes biológicas humanas ou não, e artificiais como peças eletrônicas, e mecânicas.


Há teorias que alguns cientistas façam experimentos com humanos tornando-os Ciborgues para serem seus servos com o objetivo futuro de dominar o mundo.
 
      

Essa teoria também é explanada em casos de abduções extraterrestres, onde se levanta a possibilidade das pessoas que foram abduzidas apresentarem pedaços de metais no corpo, geralmente, esses metais minúsculos são colocados no cérebro a partir de uma operação realizada na cavidade nasal do humano, essas pequenas partes metálicas são tidas como chips eletrônicos que ainda não se sabe para o que sirvam.

Os Ciborgues reais são aquelas pessoas que precisam de partes mecânicas para reparos no corpo, como a falta de uma perna ou braço, e ate mesmo em doenças internas ou auditivas.


A cantora Kylie Minogue, sempre surge em seus shows trajada como um Ciborgue nos blocos futuristas.



Os Ciborgues são comuns no cinema e na TV de ficção cientifica, homens e mulheres que usam partes biônicas como implantes. Exemplos:


O Exterminador Do Futuro
Eu, Robô
Robocop
A Mulher Biônica

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Hipogrifos


Hipogrifos são criaturas fantásticas que tem origem a partir do cruzamento entre um Grifo e uma Égua.

Assim como o Grifo, tem a cabeça e as patas dianteiras de Águia mas o resto do corpo de Cavalo coberto por penas.



Nas lendas, os Hipogrifos são mais fortes e rápidos que seus pais, têm os cavalos como seus piores inimigos, mas são mais fáceis de ser domados pelo homem, pois em antigas historias medievais, sempre apareciam como animais de estimação de algum mago ou cavaleiro.


Hipogrifos estão espalhados em poucas lendas e jogos de RPG medievais, mas o mais conhecido se chama Bicuço, da saga Harry Potter.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Grifos


O Grifo é uma criatura mitológica, com um corpo e orelhas de leão, cabeça, asas e patas da frente de águia, uma união dos dois animais supremos do reino selvagem. 


O Leão é considerado o rei dos animais terrestres e selvagens, e a Águia rainha dos céus e das aves, por isso o Grifo é especialmente majestoso.

Conhecidos como guardiões de grandes tesouros, os Grifos faziam seus ninhos próximos a eles e colocavam ovos de ouro e ágata. 

Amigos das Fênix, são rivais mortais de basiliscos, domina os céus e o ar, representando também a justiça e o equilíbrio, simboliza o signo Libra.

O cruzamento de um Grifo com uma Égua, da à origem de um Hipogrifo, uma criatura mágica com o corpo de cavalo coberto por penas e a cabeça de Águia. 



terça-feira, 9 de novembro de 2010

Bad Kitty


Podemos dizer que ela é a versão feminina de Dean e Sam Winchester (Sobrenatural), com uma pitada mais sexy e ousada de Mulder e Scully (Arquivo X), assim é a policial Catherine Bell (Bad Kitty).



Cansada da corrupção dentro de sua agencia de policia, Catherine era honesta, mas resolveu impor sua própria filosofia para seguir sua jornada, depois de ter ocorrido um fato estranho em sua vida, seu namorado ter se transformado em zumbi devido a um ritual de vodu, e foi controlado para atacá-la.


Catherine abusou de armas de alto calibre e o matou, vendo que sua vida sem ele poderia ter perdido a graça, adotou um visual mais sexy, ousado, e provocante, com codinome Bad Kitty passou a lutar contra as forças do sobrenatural.


A corrupção entre os agentes policiais deixou Bad Kitty enfurecida que passou a ser uma justiceira, reabrindo casos dos Arquivos X (casos não solucionados do FBI) por sua própria conta, tornando-se assim a mulher numero #1 de procurados na lista do Bureau Federal de Investigação (FBI).


O estilo sexy de Bad Kitty ditou moda nos anos 90 em algumas regiões dos EUA, ela sempre aparecia com um oculos escuro, roupas coladas de vinil e couro, trajando preto, e com uma parte da calcinha à mostra, seu armamento era pesado, ela usava uma jaqueta negra de couro e por baixo sempre estava com alguma lingerie. Seu cabelo loiro lhe dava um ar de loira oxigenada, mas ela era loira original.


Acompanhada por seu gato preto chamado Lucky, ela enfrenta todo tipo de monstro e criaturas sobrenaturais, geralmente procurando Zumbis, Demônios, Lobisomens, Vampiros e vários outros, um enorme bestiário fantástico... Passando por cemitérios, criptas, casas assombradas, antigas igrejas abandonadas e lugares macabros.


Bad Kitty é uma personagem de quadrinhos da extinta editora Chaos Comics, que entrou em falência em 2002, mas Bad Kitty ainda ganha seu espaço timidamente.